Porquê você precisa conhecer este lugar

26. jun

Bruxelas, capital do Reino da Bélgica é uma cidade muito bonita e bem diferente do que estamos acostumados. Está no coração da Europa, de fácil acesso, já que está a cerca de 1h30m de trem de Londres, Paris, Amsterdã e Colônia. Além disso há na região diversas outras cidades interessantes, como Bruges, Antuérpia, Ghent e Liège. É um país interessante, pois é basicamente constituído por dois grupos linguísticos: os flamengos, falantes do holandês, e os valões, que falam francês. Em Bruxelas, por exemplo, as placas das ruas mostram os nomes nas duas línguas.

Pontos turísticos que indico

Apesar de pequena, a cidade oferece muitas atrações: Grand Place (aquela dos maravilhosos “tapetes” em Corpus Christi), Manneken Pis, Janneken Pis, Mont des Arts, Parque Bruxelas, palácio real, Parque Real, Museu Magritte, Brussels Comic Strip Museum (da Bélgica vêm Tin Tin e os Smurfs, por exemplo), Museu de Belas Artes (complexo com seis museus), Sablon, Catedral de Notre Dame du Sablon, Palácio de Justiça, Catedral de St Michel e Sta. Gúdola, Parque do Cinquentenário, Quarteirão da Europa (Comissão Europeia, o Conselho da União Europeia e as sessões extraordinárias e de comissões do Parlamento Europeu), Parque Mini-Europa, Atomium, Palácio e estufas reais de Laeken, Galerias St Hubbert, Rue des Bouchers, Museu do Chocolate, Teatro Real de La Monnaie.

Como administrar os gastos durante a viagem

As atrações em Bruxelas têm um valor de entrada compatível com os da Europa em geral, mas é uma cidade que pode ser visitada por todo tipo de turista, do mochileiro àquele que procura luxo. Você pode ser hospedar em hostels, hotéis de rede, hotéis boutique. Restaurantes para todos os bolsos e gostos.

Minha melhor experiência gastronômica durante a viagem

Moule-frite é a comida da região, imperdível e eu, pessoalmente, gosto demais: uma caçarola de mexilhões com molhos diversos acompanhados de batatas fritas. As batatas fritas são ícones tanto na Bélgica quanto na Holanda. Acompanhe com uma bela cerveja e de sobremesa waffles (prefiro os meus apenas com mel, mas há muitas opções de recheio). Desça a Rue des Bouchers, onde só tem restaurantes que servem, principalmente, frutos do mar, expostos do lado de fora, com os garçons te fazendo ofertas, escolha um deles, qualquer um, e divirta-se numa festa gastronômica.

Meu momento mais marcante, a lembrança mais feliz

O dia em que fui Teatro Real de La Monnaie, com seu teto pintado por Marc Chagall, assistir a um ballet. Esperei anos por esse momento. Mas ver a Grand Place toda dourada à noite é outro momento de tirar o fôlego.

Não recomendo

Apesar de ser a atração mais visitada de Bruxelas e realmente oferecer uma vista maravilhosa, não gosto do Atomium. O Atomium foi construído para a primeira exposição mundial universal do pós-guerra (EXPO 58). As nove esferas representam um cristal de ferro ampliado 165 bilhões de vezes. Representa a fé que se tinha no poder da ciência e no poder nuclear. Oferece uma caminhada surrealista através de tubos e esferas, há um restaurante panorâmico a 95m, exposição permanente sobre a história do edifício e exposições temporárias.

Minha descoberta e o que a viagem me agregou

Uma experiência única e um povo bem acolhedor. Cerveja e chocolates que foram subestimados mundialmente, mas que agora começam a ter seu valor reconhecido.

Minha conexão imediata com um lugar visitado e o desejo de voltar
Bruxelas oferece diversos passeios do tipo bate-e-volta a cidades vizinhas como Antuérpia, Liège, Ghent, Tongeren e Bruges. Não há como não se apaixonar por essa última. Uma cidadezinha medieval, com portas e moinhos, famosa por seus canais e artigos de renda. Se for no inverno ainda é possível pegar o festival do gelo com belíssimas esculturas. Mas “perder” algumas horas bebericando e beliscando quitutes em um café na Grand Place, observando o movimento e curtindo as luzes das festas de final de ano é único, voltaria todos os anos se pudesse.

O texto acima é baseado em experiências pessoais da Dri Polacco, agente Voage.