Lições que a gente aprende como turista

10. jun

Alguns dizem que viajar é uma experiência espiritual. Outros, que é uma experiência física do espírito. Mas uma coisa é certa: existe algo de mágico em sair do já conhecido, em “pôr a cara no mundão”… As experiências que ficam e as lições que aprendemos são coisas que ninguém poderia te explicar ou viver por você e nenhum livro poderia ensinar.

É claro que cada um tem o seu próprio repertório a ampliar e que cada viagem traz algo diferente. Mas existem algumas lições que são tão fortes e comuns a tantas pessoas, que viram um consenso entre quem vive nos aeroportos.

Veja quais são algumas das lições que se aprende durante uma viagem.

Se perder para se encontrar.
Essa frase é tão repetida que pode soar clichê. Mas quando você a entende na pele, quando vê que estar em um lugar completamente desconhecido te fez mudar e crescer, é que você valoriza cada erro que cometeu e cada momento que passou.

Não há por que ter medo de as coisas saírem do seu controle! Afinal, os melhores momentos acontecem sem a gente planejar.

É preciso deixar fluir…
Quando as coisas não saem como planejado (e quase nunca saem), temos que lidar com as nossas próprias expectativas e frustrações, ter mais discernimento emocional e separar o joio do trigo. Viajantes experientes “calejam” suas mentes nesse sentido, aprendendo a encontrar a paciência em si mesmos, sempre e em qualquer ocasião.

Quando você aprende de uma vez por todas que são a resistência e a expectativa que criam os sofrimentos, a vida flui com muito mais facilidade.

A zona de conforto é o pior lugar!
Quando se adquire o hábito de viajar, conhecer novas paisagens e pessoas se torna algo constante. E ter um fluxo de vida passando por você começa a se tornar quase imprescindível.

Os aprendizados, o vigor, a novas formas de ver a vida… Tudo isso só aparece quando estamos longe do cômodo, do “quentinho”, do confortável.

É preciso aprender a observar.
Novas pessoas, novos costumes, novas culturas. Tudo isso é suficiente para fazer um bom viajante calar-se e observar. Estar em contato com o diferente nos faz esquecer (ao menos por uns momentos) aquilo que pensamos ser e entender de outras maneiras algumas coisas.

Não é raro aquele pensamento de “antes de mostrar como penso, devo entender como os outros fazem”. E isso é um verdadeiro exercício de humanidade, humildade e empatia.

É preciso dar para receber.
A causalidade é um princípio fundamental do universo, sempre. Mas é durante uma viagem que percebemos mais claramente a relação entre os nossos atos ou pensamentos e o que acontece conosco.

A lei reciprocidade nos faz sentir na pele como vale a pena insistir no bem e na caridade.

Tudo está em nós.
A verdade é que não nascemos para ficar a vida inteira trancados entre quatro paredes, mas para aprender e aproveitar o que esse mundo tem a nos oferecer. Os gostos, os aromas, as pessoas, as paisagens… algo lá no fundo de nós anseia por isso.

Mas no fim das contas, vemos que não houve nada externo que implantou em nós as ideias: poderíamos, nas mesmas circunstâncias, ver tudo de outro jeito.

Esse tipo sabedoria que adquirimos vem de dentro pra fora. E por mais que ainda não confiemos o bastante, todas as respostas já estão em nós.

Que lições você já aprendeu na sua trajetória? Compartilha com a gente!